Festa da Sardinha (Olhos de Água)

by | 17 Mai, 2022 | Agosto, Algarve, Festas, Províncias, Tradições

Monumentos

Natureza

Povoações

Festas

Tradições

Lendas

Insólito

Outro grande dia de Verão em Albufeira. Na pequena povoação, ainda piscatória, de Olhos de Água – cuja praia guarda um curioso fenómeno -, guardam-se três ou quatro dias no primeiro ou segundo fim de semana de Agosto para a Festa da Sardinha.

Está colada a uma outra festa similar, o famoso Festival da Sardinha de Portimão, para a qual perde em termos de dimensão, mas ganha em matéria de atenciosidade.

A Albufeira dos pescadores

Ainda há espaço para festas autóctones na Albufeira de Agosto – e quando digo autóctone, não significa que estejam livres de estrangeirada, até porque nem é isso que se quer, mas sim que não são feitas só para inglês ver. Já falei desse momento de solenidade no meio do circo turístico albufeirense que é a Festa de Nossa Senhora da Orada. Neste caso, afasto-me ligeiramente do centro da cidade, mas não muito.

A organização é responsabilidade do Grupo Desportivo e Recreativo Olhos de Água que, apoiado pela Câmara Municipal, monta tendas, mesas e palco no corredor que acompanha todo o areal da Praia dos Olhos de Água, formalmente conhecido por Rua dos Pescadores, tendo como cenário uma das mais belas praias do concelho, a mencionada Praia dos Olhos de Água.

Regra geral, a festa começa tarde: vendem-se senhas a partir das 19:00, para se começar a jantar a partir das 20:00. Quanto mais cedo se vier, maior a possibilidade de ter lugar à mesa. Mas caso não ganhe banco, não se apoquente – tem toda a areia ao seu dispor.

A sardinhada

Quanto à estrela da noite, a sardinha, tem o destaque merecido e, muito importante, na altura certa: ao contrário do que as festas juninas levam a crer, não é no Santo António ou no São João que a sardinha está no ponto. O ideal é comê-la em Agosto ou Setembro, quando fica gorda. Na Festa da Sardinha de Olhos de Água sabem disso. E também sabem como a devem acompanhar…

A questão do pão como cama absorvente para a gordura da sardinha não é nova. A batata que a acompanha ou o vinho branco que a empurra também não. O que põe esta sardinha digna de nota é mesmo a salada típica algarvia que se junta ao prato, conhecida por Salada à Montanheira.

Os pratos denominados à montanheira, no Algarve, têm origem nos montes a norte da província, isto é, na cordilheira que separa as terras algarvias das baixo-alentejanas, zona que os algarvios apelidam muito simplesmente de serras, e que inclui a Serra de Espinhaço de Cão, a Serra de Monchique, e a Serra do Caldeirão. Além da Salada à Montanheira, existe, por exemplo, uma Sopa Montanheira, feita à base de tomate, batata e beldroegas. Mas voltando à salada: é tão fresca no tomate como um bom gaspacho, e puxa a acidez certa para a sardinha não se queixar de falta de vinagre.

No fim da noite, para desembuchar, há bailarico com música popular portuguesa, preferencialmente trazida por artistas e ranchos locais. Acaba pela uma da manhã. Depois disso, quem quiser que faça o resto da farra por sua conta. Tem uma praia inteira para isso.

Albufeira – o que fazer, onde comer, onde dormir

Albufeira foi uma das grandes vítimas do terramoto de 1755 e das guerras liberais. O pouco que dali sobreviveu nada interessa à maioria dos que cá vêm na época balnear, quando o concelho facilmente atinge uma população dez vezes superior à que tem no Inverno. O alvo desta gente, maioritariamente alemã, francesa, inglesa, até americana, são, claro, as praias. E são tantas que o tormento está em ter de escolher - com efeito, Albufeira, por tradição, lidera a lista anual de praias com Bandeira Azul no Algarve.

Nomeio, sem ter de puxar pela memória, apenas um parte delas: as famosas praias do Peneco e dos Pescadores, em frente da cidade; a Praia do Evaristo, conhecida pelo seu restaurante; a escondida Praia da Ponta Grande; a mínima mas bela Praia dos Arrifes; a convidativa e muito procurada Praia de São Rafael, guarnecida pelo hotel que lhe deu o nome; a exclusiva Praia dos Aveiros; a célebre Praia da Oura, uma balbúrdia veranil; a Praia dos Olhos de Água, que considero a mais bonita do concelho quando está vazia; a enorme Praia da Falésia, cujo nome presta homenagem à majestosa arriba que lhe é sobranceira. Há muitas outras que ficaram de fora, e demasiadas que desconheço...

Se está na minúscula minoria dos que pretendem mais do que areia, sol, e mar, então ponha a hipótese de visitar o lendário Castelo de Paderne, a nordeste da sede de município, ou dar corda às botas e ver as praias numa outra perspectiva, percorrendo a falésia da Reserva Natural Caminho da Baleeira. Indo na primeira quinzena de Agosto, dê um salto a um dos momentos mais marcantes do calendário religioso algarvio, a Festa de Nossa Senhora da Orada, ou a uma pequena celebração nos Olhos de Água dedicada a um dos nossos peixes favoritos, a Festa da Sardinha. Para Setembro, no primeiro fim de semana, ficam guardadas as Festas do Pescador, habitualmente a mais esperada celebração popular do concelho.

Na cidade, salvam-se ainda algumas casas do bairro antigo, bem como a Igreja da Misericórdia, e a icónica Torre do Relógio, curiosa obra de ferro forjado. Também na cidade, para comer bem, lembrem-se do recatado Staar, do espaço quente que é o Bistro, e do excelente mas muito acessível Lusitano, que trata a gastronomia algarvia com o orgulho de quem é de lá. Fora do centro, há uma taberna que é um mimo: o Cantinho do Mar, com comida tradicional e baratinho como toda a gente gosta. Bem perto deste último, temos o La Cigale, restaurante de praia nos Olhos de Água, com boa sardinha e boa cataplana, e também o Manzo, para quem gosta de carnes maturadas. Fora do circuito, a norte, há dois nomes a reter: Veneza, restaurante e garrafeira ao mesmo tempo, e com óptima ameijoa-preta; e Mato à Vista, para apurado peixe e ensopada carne. Do lado do Barlavento, temos o mítico Evaristo, que para quem ali passa férias, dispensa apresentações, e o restaurante da praia de São Rafael, instalado no meio da praia homónima.

Quanto à hotelaria, como sabemos, oferta não falta. Os preços, em época alta, sofrem a habitual inflação, e por isso é trabalho ingrato tentarmos, em Julho ou Agosto, ter valores para o bolso médio português quando quem está disposto a pagar não é de cá. Havendo disponibilidade financeira, sugere-se o EPIC SANA Algarve, grande empreendimento junto à Praia da Falésia, ou o Vila Joya, encostado à Praia da Galé. Para uma estadia despretensiosa, afastada das massas, o Golden Cliff House, à beira da Praia dos Alemães, é escolha acertada. Mais acessível é o Lost & Found, bom mas um pouco afastado das praias, e a Guest House Dianamar, praticamente no centro de Albufeira, embora seja difícil conseguir reserva nos meses festivos. Por fim, guardem este nome: Quinta do Mel, um achado que sabe servir produtos regionais ao mesmo tempo que oferece uma tranquilidade que raramente rima com as praias de Albufeira.

Conheça mais sítios onde ficar em Albufeira:

Mapa

Coordenadas de GPS: lat=37.08998 ; lon=-8.18996