Poços da Broca de Loriga

by | 25 Jan, 2022 | Beira Alta, Lugares, Natureza, Províncias, Rios e Ribeiras

Monumentos

Natureza

Povoações

Festas

Tradições

Lendas

Insólito

São cinco os Poços da Broca que se encontram no concelho de Seia, mais concretamente nos domínios da ribeira de Loriga e da ribeira de Alvôco. Cada um à sua maneira, há para todos os gostos.

Poços não naturais

É comum ouvirmos ou lermos sobre cascatas naturais. Aqui, contudo, estamos perante cascatas humanas, no sentido em que elas não existiriam – ou pelo menos não assim, nem nestes lugares -, não fosse intervenção do Homem.

Isto porque todos estes poços derivam de um corte (ou uma broca, como o nome indica) que antigos habitantes da grande serra de Portugal fizeram no caudal original das ribeiras que por ali passavam. A razão para o fazerem prende-se com aquilo que tem sido a tradição portuguesa nas zonas mais montanhosas do país: manipular a terra de forma a torná-la mais rentável, sendo caso paradigmático os socalcos vinhateiros do rio Douro.

No caso de Loriga, o que se pretendia aproveitar era o raro chão plano que por aqui existia. Muitas vezes estas pequenas plataformas encontravam-se nos sopés de colinas, circundando-as. O problema é que, muitas vezes, esse espaço estava ocupado pelas violentas águas dos rios e ribeiras, filhos das nascentes a montante. Ora, a gente serrana, habituada a ter de fazer pela vida, propôs então a ideia de perfurar as margens destes meandros de forma a escoar o curso fluvial para outro lado, ficando as terras planas prontas para a agricultura.

A manigância deverá ter acontecido pelo século XVIII ou XIX. Desde aí, a natureza entrou em campo e as águas desviadas criaram novas formas na serra: novos desníveis, novas cascatas, novos poços. Alguns foram aproveitados como tanques para irrigação de terrenos ou como energia através da colocação de azenhas para moagem. E alguns, por vezes os mesmos, foram também aproveitados para banhos festivos durante o abrasador Verão da Estrela. Hoje, são conhecidos cinco, sendo bastante provável que haja outros, escondidos ou bloqueados pela vegetação.

Deste contexto, um novo léxico foi construído: ao monte que originava os meandros deu-se o nome de Caratão e ao campo agrícola que resultava do corte no curso fluvial atribuiu-se o nome de Obras – há uma produtora de bebidas na Serra da Estrela que se chama “Obras do Caratão”, produtora de um óptimo hidromel, cujo nome deriva da combinação de ambos os conceitos. Já as novas quedas de água e as piscinas que se formaram em consequência da acção humana, ficaram conhecidas por Poços da Broca.

O trilho dos cinco poços

Há um caminho e, em alternativa, uma estrada, que alinha quatro dos cinco Poços da Broca – os que se encontram a menor altitude, que são o Poço da Broca de Frádigas, o Poço da Broca da Barriosa, o Poço da Broca do Muro, e o Poço da Broca de Aguincho.

O trilho pedestre não está marcado, dado não se tratar de um percurso oficial, mas pode ser feito se, previamente, o programarmos com a ajuda de um mapa (na verdade, este troço é uma compilação de outros percursos oficiais, por isso podemos aproveitar alguma da sinalização existente desde que saibamos para onde cada seta nos dirige). Atenção, contudo, ao clima: não é aconselhável ir em altura de chuva já que o musgo se torna muito escorregadio. Quanto à estrada, tem o nome de rua 1 de Maio, e vai de Frádigas até Aguincho, passando ao lado de três Poços da Broca – os três que se acham na ribeira de Alvôco.

Quanto ao Poço da Broca do Serapitel, está fora deste esquema dado que os acessos a ele são diferentes. Estamos a falar de uma cascata que está bem perto de Loriga, e portanto a uma altura superior às restantes.

Se a intenção é visitar todos no mínimo tempo possível, o que recomendo é pegar num carro e correr as capelinhas desta forma: ir até Loriga para visitar o Poço da Broca do Serapitel, daí descer pela M518, passando pela aldeia de Cabeça, até encontrarmos a povoação do Muro, onde se situa o poço com o mesmo nome. Do Muro tornamos depois a descer, usando a mesma estrada M518, até Vide, onde flectimos para leste e guiamos pela Nacional 230 até Barriosa, onde encontramos a já mencionada rua 1 de Maio que dá acesso aos restantes três poços.

Os Poços da Broca

Em baixo destacamos os cinco Poços da Broca conhecidos. Tendo em conta a imensidão de desníveis que a Estrela proporciona, é bem provável que mais fiquem por enunciar. Mas estes são, digamos, os mainstream. E de ocidente para oriente, aqui estão eles.

Poço da Broca do Muro

Também conhecido por Poço Fundeiro (provavelmente numa alusão à sua profundidade ou por se situar no fundo de um vale), é um dos mais tranquilos dos cinco poços aqui falados, e situa-se na ribeira de Loriga. O acesso faz-se pela ponta sul da povoação do Muro.

Cascata no Poço da Broca do Muro

Poço da Broca do Muro

Poço da Broca da Barriosa

O mais famoso dos cinco. Conta com restaurante (o Guarda Rios que, por sinal, é bom), com praia fluvial, e com óptimos acessos. Está envolto em socalcos. Sempre que ouvir alguém dizer que se vai refrescar ao Poço da Broca, sem distinguir a qual deles se refere, significa que é este, o da Barriosa. Sendo o mais conhecido é, obviamente, o mais concorrido. No Verão, é possível dar com ele lotado.

Cascata no Poço da Broca da Barriosa

Poço da Broca da Barriosa

Poço da Broca de Frádigas

Depois do Poço da Broca da Barriosa, é talvez o segundo mais procurado por banhistas e curiosos. É fácil de o encontrar, basta ir até à igreja de Frádigas e alinharmos-nos com um trilho que vai lá dar direitinho. A cascata é larga e parece uma descarga de dezenas de torneiras no escorregadio e frágil xisto. Acima, uma singela ponte foi construída a ligar ambas as margens – substituiu uma anterior, feita em madeira.

Cascata no Poço da Broca de Frádigas

Poço da Broca de Frádigas

Poço da Broca do Aguincho

Trata-se do menos famoso, por ser também o menos fácil de chegar, sabemos que isto da procura e da acessibilidade andam de mãos dadas. Das duas, uma: ou tentamos entrar de alguma forma pelo lado oeste – que o mapa me diz ser possível de fazer mas que eu, honestamente, não descobri como, já que a maior parte dos trilhos estão vedados -, ou então andamos mais umas centenas de metros e entramos pelo lado oriental, através de uma estrada em terra que se faz a partir da hospedaria Retiro do Aguincho. A cascata forma-se numa trincheira estreita mas a envolvência é imperturbável.

Cascata no Poço da Broca de Aguincho

Poço da Broca de Aguincho

Poço da Broca do Serapitel

É o único, juntamente com o Poço da Broca do Muro, que se localiza na ribeira de Loriga – os outros três estão situados na ribeira de Alvôco. Está a uma altitude superior às restantes e, por isso, contem com temperaturas mais baixas quando o sol fica tímido. A queda de água não é corpulenta mas o resguardo da piscina compensa.

Poço da Broca de Serapitel

Seia – o que fazer, onde comer, onde dormir

No concelho de Seia, antes de pensar onde quer dormir, deverá perguntar a si primeiro o que quer fazer.

Para visitar a estância de esqui, o ideal é aproximar-se da Torre, não esquecendo que, ainda assim, as dormidas mais práticas até ficam no concelho de Manteigas. A Casa da Carvalha e o Loriga Hostel, ambos situados na vila de Loriga, são bastante recomendáveis, tal como a Casa do Forno, em Valezim.

Para experienciar turismo rural em aldeias de montanha, além dos supracitados, sugerimos o Abrigo do Outeiro em Cabeça (em Dezembro Cabeça cria a sua Aldeia Natal, altura em que convém marcar com alguma antecedência) ou as Casas do Soito na pitoresca vila de Lapa dos Dinheiros. Nesta vertente de turismo de natureza, torna-se uma quase obrigação visitar a mão cheia de cascatas que podemos ver nos vários Poços da Broca.

Caso a intenção seja ficar mesmo junto a Seia e ir à busca de bons repastos de cabrito com os inevitáveis Queijo da Serra e Bolo Negro a terminar refeições, lembrem-se da Quinta de Vodra. E já agora, aproveite-se para explorar o Museu do Pão e as capelinhas do Santuário de Nossa Senhora do Desterro bem como a famosa Cabeça da Velha.

Promoções para dormidas em Seia podem ser vistas em baixo:

Mapa

Coordenadas de GPS – Poço da Broca da Barriosa: lat=40.29259; lon=-7.75387

Coordenadas de GPS – Poço da Broca de Frádigas: lat=40.28685 ; lon=-7.73994

Coordenadas de GPS – Poço da Broca de Serapitel: lat=40.32458 ; lon=-7.70564

Coordenadas de GPS – Poço da Broca do Muro: lat=40.2987 ; lon=-7.76354

Coordenadas de GPS – Poço da Broca do Aguincho: lat=40.28398 ; lon=-7.72753