Rio de Onor

Quem já lá esteve, sabe: uma vez em Rio de Onor basta para que nunca mais nos esqueçamos dela.

Numa altura em que o zeitgeist nos faz duvidar se o regionalismo, o último bastião contra esta moda que é a mundialização e uniformização dos gostos, está em queda abrupta, sobram-nos coisas como Rio de Onor, para nos darem algum alento e continuar a acreditar na diversidade cultural.

O trabalho na aldeia de duas nacionalidades: Rio de OnorEstive lá por duas vezes, uma delas com direito a dormida, e desde aí que não consigo imaginar passar no Parque Natural do Montesinho sem lá pôr os pés, nem que seja pelo tempo de a fazer toda a pé, o que acontece em vinte minutos, se tanto.

Para quem a desconhece por completo, que fique para já a saber o essencial. Rio de Onor é uma aldeia pequeníssima, mas grande o suficiente para ter duas nacionalidades – portuguesa e espanhola, no caso. Todavia, mais que ser parte dos dois países ibéricos, é sobretudo um microclima cultural, cuja idiossincrasia comunitária e linguística não se encontra em nenhum outro sítio. Tanto é que há bibliografia que chegue apenas sobre ela, sendo dada como um paraíso para etnógrafos com sede de conhecimento.

Situa-se em cima da fronteira que Trás-os-Montes tem, a norte, com a província leonesa. E, para os fundamentalistas da geografia e do território, esta fronteira corta-a ao meio. Tretas que quase nada valem a quem lá mora. Se oficialmente chamamos Riohonor de Castilla à parte espanhola, e Rio de Onor à parte portuguesa, mais válida é a forma como os locais as separam: a parte de cima, e a parte de baixo, tão simples quanto isto, ou seja, para irmos a Espanha, vamos lá acima, e para irmos a Portugal, vamos lá abaixo.

Antes, logo depois de Salazar e Franco mandarem, a separação da aldeia fazia-se por uma corrente que tínhamos de saltar e que importunava a passagem da carroçaria. A corrente foi retirada. No entanto, o marco fronteiriço, neste caso a placa fronteiriça, lá está, bem no centro, numa dispensável lembrança do que é que pertence a quem. Mas nem correntes nem placares esmagam uma imagem de aldeia que se aproxima, como nenhuma outra que conheça, dos arquétipos do romantismo.

Em Rio de Onor, vive-se dentro de uma ordenada comunidade, tal como acontecia na antiga aldeia de Vilarinho das Furnas, agora desaparecida. Aqui, a horta, o forno, as lavandarias públicas, o gado, tudo isso é trabalhado por cada um, mas sempre ao serviço de todos. As festividades cíclicas são uma experiência colectiva, como acontece na Festa dos Reis ou dos Rapazes, à semelhança do que se passa em Varge. O trabalho é tido com uma responsabilidade superior, porque não se trabalha só para o eu, mas para todos os conterrâneos. E a língua, uma vincada marca da povoação, que decalca a sua posição no mapa ibérico, é uma mistura de castelhano, com galego, com leonês, com mirandês, e com português – e tem um nome: chamam-lhe rionorês.

Lembra a aldeola que Uderzo e Goscinny inventaram na Gália, num reduto de resistência à globalização vinda de Roma. Mas de verdade. Houvesse mais destas.

Mapa e Coordenadas de GPS: lat=41.940244 ; lon=-6.616763

Comentários

(262 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.