Romaria da Senhora da Agonia

A festa das festas do Minho. No noroeste de Portugal, sensivelmente a meio do mês de Agosto, a cidade de Viana do Castelo recebe a colorida, barulhenta e inesquecível Romaria da Senhora da Agonia, a Rainha das Romarias de Portugal.

Resumindo-se o Minho a alguma coisa, o que será sempre injusto, pois que seja à feira de cores que é a Senhora da Agonia

O Programa das Festas da Senhora da Agonia

No Bairro dos Pescadores, populares pintam tapetes de flores para a Santa pisar no dia seguinte. E é nessa alvorada que a festa arranca. A Procissão ao Mar dá a partida, com barcos enfileirados que carregam a relíquia da Senhora da Agonia entre a foz e o estuário do rio Lima, numa lembrança da ligação desta cidade aberta ao Atlântico. A Senhora é depois passeada, em terra, pelas ruas da Ribeira e volta à casa de onde partiu.

Depois disso é reboliço. Todos os dias, ao meio dia, juntam-se na Praça da República os que estão lá para a música: faz-se ao som da gaita-de-fole galega, daquela Galiza ali tão próxima, da concertina, companhia de toda e qualquer festa, e dos sempre minhotos Zés-Pereiras, de porte forte, a agarrarem e oscilarem mais de uma centena de bombos em pancadas de guerra que quase ensurdecem. Os cabeçudos e os gigantones, figuras de estatura superior e cabeças desproporcionais, rodopiam sobre si mesmos.

Aproxima-se então o carismático Cortejo da Mordomia, uma estrondosa exibição de cores, dos trajes das minhotas que os usam – as ditas mordomas, que envergam padrões representativos da sua freguesia -, ao ouro que deixam cair no seu peito e que é massa dos seus brincos. É cortado por mais fanfarra, num cortejo de plataformas alegóricas a lembrar os que surgem por alturas do Carnaval, embora neste caso num registo mais etnográfico. Guarde-se espaço para mais tarde, pela noite, na Fortaleza de Santiago da Barra, com nova homenagem à mulheres vianense. E para os churrascos, e para o festival das concertinas, e para o canto estridente das minhotas, e para o fogo de artifício a reflectir no espelho do rio Lima.

O momento mais sério é guardado para o fim, Domingo, o dia que o povo liga aos céus, e chega com a Procissão Solene, que veste os intervenientes a preceito para a representação de alguns episódios bíblicos.

Quando acaba sentimos a infelicidade a agoniar. Falta um ano até à próxima. A Senhora da Agonia não é só uma festa. É onde se condensa toda uma província portuguesa. Para animar, um pensamento: as Feiras Novas de Ponte de Lima estão mesmo ali à beira.

O programa das festas da Senhora da Agonia para o ano de 2017 pode ser visto aqui, detalhado e com todos os dias que merecem visita.

Coordenadas de GPS: lat=41.692296 ; lon=-8.828759

Comentários

(295 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.