Penedo do Lexim

Poucos conhecem a realidade vulcânica que a zona de Lisboa e a sua periferia – a que costumamos chamar de saloios – foi no passado.

Testemunhos desses anos existem em redor da capital, mais concretamente junto à cidade de Mafra. Muitos desses descortinam-se no tipo de rochas que conseguimos encontrar, nomeadamente o basalto. Mas os mais óbvios a olho nu são os pequeno montes que sobraram e que não são mais do que antigos, muito antigos, pináculos de origem vulcânica.

É de um destes cones que aqui falamos: o Penedo do Lexim, uma chaminé de um vulcão cuja actividade foi interrompida há milhões de anos atrás, mas que deixou rasto. Essa pasta de minerais que saiu das entranhas da terra e que arrefeceu quando chegou à superfície lá está, à vista de todos, nas colunas bem talhadas, com feições de prismas e uma cor férrea.

Lá do topo vemos uma boa parte da Estremadura. É difícil imaginar como seria diferente estar ali há milhões de anos atrás, com formações cónicas vulcânicas a terem o protagonismo na paisagem, e rodeadas de pequenos relevos calcários que entretanto sucumbiram às vontades das forças de erosão. Hoje é a planura que fica nos olhos, e os campos férteis que nos rodeiam não param – já o Penedo do Lexim, por ter no basalto o seu escudo, aguentou-se, dando-nos a impressão de ter crescido, quando na verdade foi a sua envolvência que mingou.

Por lá se encontraram vestígios de tempos mais recentes, ainda assim longínquos dos de hoje, situados no Neolítico e Calcolítico, comprovando a importância deste morro como local de vigia e, talvez, como altar de ritos antigos. Mais outros foram desenterrados, de tempos menos distantes, principalmente da Idade do Bronze e já do período da ocupação romana. Antes, estes outeiros eram marcos geográficos: pontos no mapa que se fixavam no inconsciente das comunidades. Já não será tanto assim, mas para as terras que o circundam, o Penedo do Lexim é ainda um acontecimento natural que ninguém desconhece.

Mapa e Coordenadas de GPS: lon=38.892410 ; lat=-9.311517

Comentários

(285 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.