Moscatel

Em Portugal, o moscatel é falado, é pedido, é bebido, mas pouca gente sabe realmente do que se trata. Chamamos por ele em fins de tarde, com gelo e por vezes limão, ou a acabar refeições abastadas que pedem um cobertor destes a seguir. Sabemos reconhecer, ainda assim, uma coisa: não é exactamente vinho, não o vinho que nos habituámos a tragar, e que, à falta de melhor, tratamos por maduro.

O que é um Moscatel?

A verdade é que sentimo-lo diferente por duas razões principais: a primeira, mais subtil, terá a ver com o tipo de uvas usadas, da família moscatel, que lhe entregou o nome de mão beijada; a segunda prende-se ao processo de produção, bem mais próximo do do Vinho do Porto do que dos vinhos de mesa.

Começando pelo tipo, a moscato, como dirão os italianos (ou muscat para os franceses), é um conjunto de diversas variedades de uva, das mais antigas que existem, e que, em comum, têm um gosto mais adocicado, mais floral, e mais frutado (especialistas atribuem-lhe alguns citrinos e outros frutos menos convencionais, como o damasco). E são muitos os enólogos que a acarinham como pura ao olfacto – diz-se, meio a brincar, meio a sério, que a uva moscatel é a única que dá vinhos que cheiram realmente a uva, já que os outros combinam uma abundância de aromas diluídos.

Já o processo mostra-se muito próximo ao de outros vinhos fortificados, quando, cortando a fermentação a meio – ou seja, deixando parte do açúcar por lá, razão pela qual é tão doce -, se resolve juntar aguardente vínica, aumentando-lhe o teor alcoólico, embora disfarçado pelo seu carácter meloso, como aliás acontece com muitos Portos.

As regiões do Moscatel

Em Portugal, há duas regiões famosas pelos seus moscatéis: o Douro, particularmente na sua passagem por Trás-os-Montes; e a parte da Estremadura que se encontra a sul do Tejo, junto a Setúbal. Ao primeiro demos o nome da terra cuja adega o tornou famoso, Favaios. O segundo é o bem conhecido Moscatel de Setúbal, bebido de norte a sul do país.

Como curiosidade, o Moscatel de Setúbal (e não o de Favaios, estranhamente) é alvo de grande devoção no dia de Natal na cidade de Braga, onde é bebido acompanhado por uma banana, no já várias vezes noticiado evento anual que é o Bananeiro de Braga.

Comentários

(285 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.