Feiras Novas de Ponte de Lima

As Feiras Novas de Ponte de Lima são a festividade máxima desta majestosa vila situada no Minho, e não fosse a Romaria de Nossa Senhora da Agonia dar de si, poucos dias antes, em Viana do Castelo, e poderíamos dizer tratar-se da maior do norte português. Passam-se no segundo fim de semana de Setembro, e parecem querer despedir-se do Verão com todo o calor que ainda há de sobra.

A parte rija da festa dura três dias e três noites – começando na Sexta-Feira, pela noite, e terminando Segunda-Feira, pela tarde. No entanto, a partir de Quarta-Feira já há vislumbres do que está para acontecer, com a abertura da iluminação das ruas e um encontro de tocadores do instrumento mais popular das eiras minhotas: a concertina. Quinta-Feira, já se abrem todas as janelas para a rambóia – começam a chegar pessoas vindas de Viana, do Porto, de Braga, muitas de Lisboa, ainda a tempo de ouvirem cantares e desgarradas. E chega Sexta que, pelas dez da noite, anuncia o início das Feiras Novas: há bandas no Largo de Camões, novos despiques e cantares ao desafio, tudo sob efeito da cerveja e do verde. Sábado é data para se viver de manhã à noite, com concursos de pecuária – sobretudo da autóctone da região -, encontros de Zés Pereiras com bombos minhotos e gaiteiros com a gaita galega sobre os ombros a servirem de despertador a toda a vila, mais bandas a rodar no Largo de Camões, o sempre aconselhável cortejo etnográfico, corridas e desfiles do equídeo mais famoso por estes lados: o garrano, mais concertinas e mais desgarradas e mais arruadas no final da noite, antes do vinho tomar toda a posse de nós. Domingo é como Sábado, menos movimentado porque alguns dos visitantes têm as obrigações do trabalho no dia seguinte. Repete-se algum do programa do dia anterior embora com algumas novidades, destacando-se nelas o cortejo histórico, normalmente ligado à identidade histórica da vila ao longo dos tempos em que se fez a história de Portugal. Por fim, temos Segunda-Feira, para a qual é guardado o momento solene, a missa e a Procissão de Nossa Senhora das Dores, uma boa altura para destilarmos o que foi bebido nas dezenas de horas que passaram.

Não me esqueci do espectáculo mais vistoso e aquele que muita gente vem ver. O fogo de artifício que acontece já depois da meia noite de Sábado e de Domingo, difícil de esquecer se for visto à beira do rio Lima, entre as pontes principais que balizam a dimensão da vila, ou mesmo caso o vejamos das amplas escadarias que fronteiam o Santuário do Senhor do Socorro.

Lá passam 500000 pessoas todos os anos, maioritariamente portugueses e galegos, que estão mesmo ali ao lado, e daqui se percebe a importância das Feiras Novas de Ponte de Lima, uma das maiores romarias do país.

Em 2017 as festas começam no dia 8 de Setembro, terminando dia 11 do mesmo mês. Depois damos descanso à vila, que o Outono fica ali à porta.

Coordenadas de GPS: lat=41.767746 ; lon=-8.585671

Comentários

(287 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.