Citânia de Sanfins

Localizada no concelho de Paços de Ferreira, com a sua área partilhada pelas freguesias de Sanfins de Ferreira e a freguesia de Eiriz, a Citânia de Sanfins é um dos maiores exemplos da cultura castreja que caracteriza o Norte de Portugal, estando classificada pelo Instituto Português do Património Arquitectónico como monumento nacional. Foi alvo da atenção de notórios arqueólogos como Leite de Vasconcelos e Martins Sarmento, que fizeram os primeiros estudos sobre a Citânia e eventualmente levaram às escavações das ruínas, iniciadas em 1944 e prolongadas por um período de meio século.

A dimensão do antigo povoado vai até aos 15 hectares, pelo menos a descoberto, caracterizando-se assim como uma Citânia, um castro de enorme extensão que serviria como cidade-sede para outros castros da região que engloba actualmente Valongo, Penafiel e Maia. Pensa-se que a população habitante teria chegado às três mil pessoas, na sua maioria uma classe guerreira e ferreira, visto que as actividades agrícolas ficariam a cargo dos castros circundantes. Assim sendo, a Citânia seria provavelmente o centro de poder político e militar da região.

Como é comum num número elevado de castros, está localizada estrategicamente num local elevado, uma colina que se situa numa região montanhosa. Os especialistas localizam a sua origem no séc. V a. C., mas com a principal ocupação pelo povo galaico entre o séc. II e I a. C. É visível a estrutura das muralhas e de mais de cento e cinquenta estruturas de edifícios, a maior parte de planta circular como é característico da cultura castreja. Há poucos anos restaurou-se a forma original de algumas das edificações, mas, infelizmente, um incêndio destruiu algumas. No entanto, subsiste a reconstrução de um grande núcleo familiar, digno de se visitar.

A Citânia de Sanfins merece ainda atenção pelo seu repositório cultural, pela exibição de motivos célticos como o triskel, esculpido na pedra na zona do núcleo familiar reconstruído, e por ter sido encontrada nas ruínas uma das famosas “pedras formosas”, a qual dá mais suporte à suposição da função militar e política que a Citânia teria tido, tendo em conta a função iniciática guerreira que estas pedras poderão ter tido. Para amantes da cultura castreja e celta, a Citânia de Sanfins apresenta-se como um local obrigatório a visitar, capaz de rivalizar com a Citânia de Briteiros e o Castro de São Lourenço.

Mapa e Coordenadas GPS: lat=41.320881 ; lon=-8.370358

Comentários

(33 Posts)

Investigador da Universidade Nova de Lisboa nos âmbitos de literatura medieval, culturas e mitologias europeias.