Castelo de Porto de Mós

Dá para perceber que o Castelo de Porto de Mós foi fortaleza pelo sítio estratégico onde se encontra empoleirado, mas também casa apalaçada pelo seu inegável valor estético. Para quem vem de sul, dos ziguezagues da Serra de Aire e Candeeiros, Porto de Mós é uma excelente forma de fazer ponto final às curvas e contracurvas. Há uma guinada à direita, quase em cotovelo, que nos deixa com a vista destapada para norte, e, por uns momentos, ficamos com o castelo bem centrado no horizonte. Há que descer até ficarmos ao nível dos casarios da vila, e depois tornar a subir por ruas estreitas em direcção ao topo de uma pequena elevação que serve de vigia à povoação, e já o servia antes sequer desta fortificação lá estar, na altura em que a Ibéria era romana.

O que sobressai é a fachada, virada para a vila e para a abertura que as encostas fazem ao longe, e que é balizada por dois torreões com cúpulas singulares, de telhado em forma de pirâmide quadrangular e cobertos de cerâmica verde. É esse verde brilhante, como se de louça lavada a detergente se tratasse, que o distingue dos demais castelos portugueses. Vale a pena entrar e olhar este tejadilho de perto, subindo à muralha principal – as visitas podem ser feitas em horário normal, de manhã e pela tarde, fechando para almoço e também às segundas-feiras. Das janelas dignas de palácio desenhadas na pedra, conseguimos ver os primeiros esboços do Parque Natural da Serra de Aire e Candeeiros, a sul. Atravessando o castelo, nas muralhas virada a norte e a oeste, a planura contrasta com o que vimos do lado oposto, há cinco minutos atrás – são as terras que se alongam até chegarem a essas duas obras-primas de afirmação soberana: o Mosteiro da Batalha e o Mosteiro de Alcobaça, a casa de Pedro e Inês. A planta é pentagonal mas mais parece quadrada – uma das torres originais já desapareceu e o vértice onde se encontrava é muito pouco acentuado, dando a ideia errada de que o castelo conta com quatro paredes externas, apenas.

Como sempre, trata-se de uma construção árabe mais tarde conquistada pelo exército cristão, desta feita com a ajuda desse homem que é presença assídua no lendário popular português: Dom Fuas Roupinho. Foi ele que por lá ficou, enquanto alcaide, quando todo o território aquém Tejo já estava do lado cristão. Mais tarde, o Castelo de Porto de Mós foi oferecido a outra grande referência das lendas da zona do Oeste: a Rainha D. Isabel, mulher de D. Dinis, provavelmente o melhor rei que este país viu nascer.

O Castelo de Porto de Mós é ponto de partida para alguns dos episódios mais importantes na história de Portugal, uns mais verosímeis que outros, mas nenhum deles olvidável. Daqui partiu Dom Fuas para a caça que se tornou pano de fundo ao milagre da Nazaré, que, segundo crença, aconteceu no pontão que separa a actual Praia da Nazaré da sua Praia do Norte. Partindo para um exemplo mais real, foi também dentro destas muralhas que Nun’Álvares Pereira planeou e definiu a estratégia que seria responsável pela vitória improvável na Batalha de Aljubarrota. É bom lembrarmo-nos disto enquanto por lá passeamos, porque desconhecendo o seu passado um monumento não passa de pedra. Só depois, quando o ímpeto de consquista vindo de Castela terminou e toda a linha defensiva do interior português ficou sem a sua função de sentinela defensiva, se partiu para o ornamento das suas paredes e divisões internas, transformando-o num pequeno palacete com influências renascentistas.

Coordenadas de GPS: lat=39.60343 ; lon=-8.818761

This slideshow requires JavaScript.

Comentários

(273 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.

2 comentários sobre “Castelo de Porto de Mós

  1. Pedro Costa

    Aqui está um lugar onde nunca fui e com este texto deste-me mais um incentivo para ir visitar. Um abraço

Comments are closed.