Capela de Nossa Senhora de Entre Águas

Primeiro evitem-se confusões: aqui iremos falar da Capela de Nossa Senhora de Entre Águas de Benavila, concelho de Avis, no Alto-Alentejo, e não a homónima que se situa bem mais a norte, no concelho de Ovar. De qualquer forma, porque ambas têm uma relação, a segunda irá ser trazida ao texto.

No Alentejo, uma ermida esconde antigos cultos da água, o elemento que mais abunda por aqui.

A Senhora das Entr’Águas

O que transforma a Capela de Nossa Senhora de Entre Águas interessante não é exactamente o monumento – que é bem simples apesar de contar com uma dimensão assinalável tendo em conta que é apenas uma ermida.

Podemos resumir a sua arquitectura dizendo que é mais um templo construído à medida de muitos outros no Alentejo, obedecendo às cores próprias da região, circundada por um comprido alpendre de vários arcos e encimado por um campanário de dois sinos, actualmente inexistentes.

Mas na realidade, mais relevante do que a capela é uma uma lápide que lá se encontra e que, muito possivelmente, nos dá a razão por que se resolveu criar uma ermida naquele lugar e que tal obra se tenha elevado a monumento nacional: um cipo romano que agradece a Lobesa, possível Deidade autóctone das águas.

Não é difícil acreditar que por aqui se estabeleceu um culto à água – encontramo-nos entre as ribeiras de Seda e Sarrazola, e aela aqui é abundante como em poucos outros sítios do sul, excepção feita, claro está, ao Alqueva. O mesmo acontece na outra Capela da Senhora de Entre Águas, em Válega, concelho de Ovar, e à qual estão associadas virtudes milagrosas: situa-se numa confluência de duas ribeiras e, como tal, encontrava-se cercada de água.

Parece, mais uma vez, que existiu aqui uma cristianização de um antigo rito pagão, assumindo este lugar um dos muitos nomes que Maria adopta, conforme o contexto ou a região. Conhecem-se dezenas de exemplos destes: a Nossa Senhora da Boa Viagem substitui antigos Deuses dos caminhos, a Nossa Senhora do Ó toma o lugar de antigas Deusas ligadas à fecundidade e aos partos, a Nossa Senhora da Boa Hora está ligada a Divindades alusivas à morte… e aqui, temos a Nossa Senhora de Entre Águas, ou Entr’Águas, como forma de retomar um culto ancestral a um elemento fundamental na vida humana, embora reconvertendo-o a um óculo cristão.

No ano de 2017, depois de um hiato de oito anos, Benavila retomou as Festas em Honra da Senhora de Entre Águas, numa procissão que leva a imagem de Maria pelas ruas da vila.

Onde ficar

Em Benavila, a Casa Manel oferece o essencial – equipada com três quartos e uma sala de estar com cama, cozinha, e equipamento para churrasco. Atravessando a ponte de Benavila para norte, temos a Capela da Senhora de Entre Águas logo ali à esquerda.

Mais a sul, em Avis, a Casa da Moira é uma espaço senhorial setecentista junto às muralhas do Castelo de Avis de onde se goza farta vista sobre o rio.

Mapa e Coordenadas de GPS: lat=39.11731 ; lon=-7.86831

 

Comentários

(289 Posts)

Um tipo que não desiste de dar a conhecer aos portugueses um país que eles mal conhecem: Portugal.