Anta de Cunha Baixa

Revelando-se como um dos exemplares de Antas em Portugal que mantém ainda uma estrutura coesa que inclui corredor longo ligado a câmara funerária, tendo apenas em falta a mamoa, a Anta de Cunha Baixa é um monumento megalítico escondido no coração das Beiras que demonstra a presença da cultura megalítica nesta região do país.

Situada nos arredores de Cunha Baixa, concelho de Mangualde, perto do Rio Castelo, a anta é encontrada entre campos de cultivo, um vestígio de um passado longínquo que no entanto se mantém inalterado e indiferente à passagem do tempo. A construção da anta está datada pelos especialistas como tendo ocorrido entre 3000 a. C. e 2500 a. C. tendo sido encontrados nas imediações e na câmara funerária diversos objectos que incluem machados, lâminas, objectos de cerâmica, tintas para pintura corporal e restos de substâncias usadas em forjas para trabalhar o metal, incidindo assim em vestígios de uma cultura guerreira da Idade do Bronze que terá utilizado a anta muito depois da sua construção no Neolítico.

Adicionalmente, ossos humanos encontrados também na câmara funerária lembram-nos a função tumular que esta anta, parte da cultura megalítica que encontra em Portugal muitos exemplares, teria originalmente. Escondida pela paisagem beirã da zona de Mangualde, composta de vinhas e florestas de pinheiros, a anta apenas foi descoberta em 1892 pelo ilustre Leite de Vasconcelos, e ganhou o estatuto de monumento nacional em 16 de Junho de 1910.

Irradiadora de uma energia ancestral e solene, a Anta de Cunha Baixa é um ponto de visita obrigatório em qualquer rota da cultura megalítica, e um exemplar dos segredos escondidos nas beiras.

Coordenadas GPS: lat=40.56969 ; lon=-7.77022

Comentários

(33 Posts)

Investigador da Universidade Nova de Lisboa nos âmbitos de literatura medieval, culturas e mitologias europeias.

Deixar um comentário...